Transformação Digital e Projeto para Arquitetura de “Micro Serviços”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram

Vale a pena ressaltar que “Transformação digital” não é um produto, não é um software, mas, sim, um processo de modificação na rotina e na maneira de conduzir negócios com eficiência, e é Importante lembrar que a transformação não é da empresa, a transformação é das pessoas.

Por que existe alguns casos se insucessos na migração para modelos disruptivos?

Porque, como todo o processo cultural, não pode ser aplicado do dia para a noite, não é virar uma chave, temos processos no modelo tradicional a serem substituídos, implica num cronograma de aprendizado, informações e treinamentos.

Mas, por que temos cases de sucesso de empresas, principalmente empresas mais novas de mercado?

Porque foi aplicada a metodologia de transformação, que se divide em 4 fases simples.

Exploração, criação de contas em modelos de “Cloud Publicas”, aprendizado e estudo em ambiente disruptivo “DEMO”.

Adoção, criar rotinas de backup, replicação de banco de dados e outros pequenos serviços de baixa criticidade.

Ampliação, especialização, treinamento, utilização de novos aplicativos como, BI, AI, IoT e outros.

Transformação, customizar as aplicações legadas ou reescrever a mesma em micro serviços.

Então chegamos na tal de arquitetura de microsserviços, sim, hoje o mercado tem 90% das suas principais aplicações no modelo monolítico, apesar de aplicação no modelo de micro serviços ser uma tendencia global, quem define se a aplicação precisa ser modificada é “você”, sim, é você que apos absorver todo o conhecimento desta transformação, terá o embasamento necessário para avaliar todos os pontos.

Quais são esses pontos a serem avaliados?

  1. Modelagem ou arquitetura de aplicação
  2. Automação, orquestração de plataforma
  3. Monitoramento das camadas de serviços e não mais de carga computacional
  4. Implantação, lembre-se que agora são varias camadas, são vários projetos dentro de um
  5. Isolamento de falha por camada
  6. Segurança por camada de aplicação e banco de dados.

Agora me parece que temos um caminho a seguir, pois, sempre falamos onde vamos chegar, mas esquecemos de mostrar a jornada!

Valtir Bonfiglioli Jr.

Classifique:
5/5

DEIXE UM COMENTÁRIO

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR DE

Confira nossos vídeos exclusivos sobre IOT