IoT no Brasil

Você também esse pensamento:

“Muito se fala da Internet da Coisas, mas não vejo de fato funcionando no Brasil”

É comum no meu dia a dia eu ouvir frases assim e a verdade é que a Internet das Coisas já está nas nossas vidas, nos nossos negócios, nas nossas cidades, no nosso futuro e a gente nem se dá conta.

A Internet das Coisas é a base da Revolução Industrial 4.0 que estamos vivendo – sabe por quê? As principais tecnologia em uso e as tendências todas elas não evoluem sem a Internet das Coisas.

Por exemplo, a Cloud Computing e suas variações como Fog Computing, Edge Computing e TinyML estão crescendo e sendo impulsionadas pelo a IoT. O mesmo acontece com a Inteligência Artificial e suas variações de redes neurais, aprendizagem de máquinas e outros.

O que ocorre é que essas tecnologias estão se adaptando a nova realidade onde os dados que são a base de operação destas plataformas precisam se adaptar à nova realidade onde os dados gerados não estão mais limitados só por PCs, sistemas como ERP, Smartphone – agora a AI e a Nuvem precisam receber e tratar dados de “coisas”, justamente porque a IoT traz uma nova realidade de dispositivos conectados coletando dados.

Mas não basta ser inteligente e preciso também ser conectado e o mesmo acontece com as tecnologias como Drone, Realidade Aumentada, Realidade Virtual onde é através do IoT que torna este tipo de dispositivo que já é inteligente, conectado – permitindo ampliar a sua atuação.

A Internet das Coisas já é uma realidade no Brasil, temos tecnologias e empresas capazes de implementar e atender as diversas demandas que afeta todos os segmentos e verticais de negócios. Não importa se é uma mineradora, uma indústria, um banco, uma plantação, uma granja, uma cidade, um escritório, uma casa, uma escola, um hospital e por aí vai – sem limites.

Veja algumas provas conhecendo 5 casos de usos:

Mineradoras:

Desde 2017 a mina Brucutu, que produz minério de ferro em São Gonçalo do Rio Abaixo (MG) opera com caminhões 100% autônomo. No primeiro mês, o resultado foi de 26% do aumento do minério transportado. O consumo de combustível é 11% menor que o dos tripulados, resultado em uma redução de 4.300 toneladas de CO2 por ano na atmosfera nos últimos 5 anos. Projeto como estes, também visam proteger vidas, não expondo os colaboradores em áreas de risco.

Industria 4.0:

A fábrica de caminhões da Mercedes-Benz abriu as portas para a start up Labretail resolver gargalhos no seu processo da linha de produção com o objetivo de reduzir o tempo de reposição de peças através de um mecanismo integrado de comunicação e controle que antes da IoT eram executados através num processo de verificação visual do funcionário que causava demora e até paralização na linha de montagem que ficava sem a reposição de peças pelo controle ser impreciso e sem visibilidade do tempo de execução desta tarefa. Com dispositivos inteligentes e conectados na prateleira que armazena as peças de reposição e processos integrados entre departamentos e funcionários trouxeram a produtividade da linha de produção um aumentada de 20%.

Transporte e Logística:

É um segmento cheio de oportunidades e muito amplo, decidi citar um caso que afeta diretamente nós como cidadãos quando o assunto é conservação de perecíveis como comida, líquidos, remédios e as tão importantes vacinas. Para você ter uma ideia do tamanho do impacto, a empresa Cargosense afirma que 20% dos medicamentos são destruídos devido ao mau funcionamento da cadeia de frio. O desperdício de comida é ainda pior. O BCG (Boston Consulting Group) afirma que 1,6 bilhão de toneladas de alimentos são danificados ou desperdiçados a cada ano. Os equipamentos da Mobilogix estão prontos para atender e resolver os processos total deste tipo de demanda com sensores para gestão de temperatura, umidade, luminosidade e consumo de energia no armazenamento e transporte de alimentos e medicamentos refrigerados na indústria permitindo garantir a qualidade do insumo e outros ganhos em todo o processo como controle de inventário com rastreabilidade em tempo real, gestão de transferência entre os centros de distribuição e os distribuidores, gestão de última milha de entrega e dos freezers estacionários nas grandes redes de varejo, farmácias, clinicas e hospitais.

Cidade Inteligente:

Quando pensamos em cidades, problemas para serem resolvidos não faltam e é isso por isso que o Polo Digital através do programa Govtechs tem entre as start ups a Wisethings que leva inteligência aos municípios para melhorar a gestão do lixo da cidade. Com a IoT, o peso, rotas, controle da rotação da caçamba do lixo são monitorados em tempo real. Isto garante redução de custos na manutenção do caminhão que muitas vezes está rodando com peso acima do permitido que além de estragar o caminhão mais rápido, destrói as ruas. Os dados do IoT implementados entrega informação para que o município repense ou maneje rotas mais adequadas de acordo com a demanda da cidade sobre a quantidade de lixo gerada, sobre o tempo de operação em cada etapa do processo, sobre o volume da carga dispensada nos depósitos e os pagamentos aos prestadores envolvidos passam a ser conferidos com precisão da tarefa executada. Além disso, garante que não haja desvio de rota evitando que alguma rua da cidade fique sem o lixo coletado e de quebra ainda torna a vida mais segura aos colaboradores que executam o serviço.

Bancos:

por um segmento rico, talvez você pense em tecnologias supercaras e complexas – e até tem, mais vou citar um caso de um simples e te trazer o conceito dos wereables, ou melhor, a IoT vestível. No caso, os bancos substituem o cartão de crédito por uma pulseira. É ótimo para fazer corridas sem ter que carregar carteira. A Internet das Coisas também entrega estilo e versatilidade.

Há uma variedade de redes de comunicação que podem ser usadas para dar vidas as coisas, desde o NFC (Near Field Comunication) que permite uma conexão de aproximação cerca de 10 centímetros como a cidade no último exemplo, até conexões de baixíssima latência como a de veículos autônomos citada no primeiro exemplo.

A Internet das Coisas traz mais inteligências, sustentabilidade, economia e novas experiências ao planeta.

 

Fontes como Brasscom, IDC, Frost & Sullivan indicam que nos próximos 4 anos os montantes de investimentos em Internet das Coisas será de 74 bilhões de reais no Brasil com crescimento de 29% ao ano.

 

A Internet das Coisas elimina a barreira de comunicação com o mundo físico, assim como nós eliminamos as barreiras de comunicação com pessoas de qualquer lugar do planeta simplesmente porque nós inserimos na internet – agora não são só pessoas que alimentam e se comunicavam na internet – as coisas também.

A IoT está em seus planos de negócios para 2022? Se não está, deveria. Ainda dá tempo de se planejar e usufruir da inovação e benefícios da Internet das Coisas.

Compartilhe com seus amigos

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Classifique:
5/5

Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo

congresso Tudo sobre IoT

Internet das Coisas

O IoT tem como objetivo permitir uma melhor relação entre o mundo físico (as coisas), o mundo biológico (nós) e o mundo digital (a computação).