Infonomics representa o Valor da Informação

INFONOMICS

Vivemos hoje na sociedade da informação, e informação é um produto por si mesmo, além de ser o combustível que impulsiona os negócios da maioria das empresas.

Há mais de 5 anos que a expressão Infonomics começou a aparecer, ainda tímida como Tendências para Infraestrutura de IT na modernização da gestão da informação, aparecendo ao lado de conceitos que se modificaram ou se popularizaram ao lado de outras siglas, vamos juntos analisar alguns exemplos.

É muito importante este passo, para que você absorva verdadeiramente a reflexão que proponho neste artigo, afinal, não é só sobre Infonomics, é além disso. Continue comigo que você vai entender melhor e até absorver de forma mais rápida as tendências que se tornam realidade.

E, sinceramente, pode reprogramar o seu pensamento para um novo olhar que te colocará a frente na assertividade de decisões estratégicas.

Em outras palavras, você vai abrir seu mindset.

Bem, agora que alinhamos as expectativas, bora citar os exemplos de palavras e/ou expressões que a menos de uma década eram identificadas e relacionados ao futuro/tendência e como, na minha tradução, realmente se firmaram:

  • Tecnologias Semânticas: sabe o que é? Pois é, a expressão não ficou tão popular mas relacionava tecnologias que são usadas para extrair significado de diferentes tipos de dados (dados quantitativos, textos, vídeos, voz e imagens) para análises estatísticas avançadas, mineração de dados, aprendizado de máquina e gestão do conhecimento. Hoje, a expressão usual para o que era “tecnologia semânticas” é resumidas na popular expressão Inteligência Artificial e suas subdivisões tais como Machine Learning, Deep Learning, Computação Cognitiva, etc.
  • Computação em Memória: relacionada a desenvolver aplicações que realizam consultas avançadas em um grande conjunto de dados, ou executar transações complexas mais rapidamente, se comparado a técnicas usadas na “arquitetura convencional”. Era um paradigma abre oportunidades inexploradas para a inovação (por exemplo, análise em tempo real de Big Data) e redução de custos. Hoje a expressão é pouco explorada mas tudo isso já é usado e real nos RPA – Robotic Process Automation em soluções de automação com o uso de softwares (robôs), especialmente em destaque nos programas de relacionamento e atendimento ao cliente.
  • Protótipo Virtual: também conhecido como protótipo híbrido, refere-se a uma cópia virtual de um produto, ativo, processo ou sistema que pode ser usado para uma determinada finalidade. É uma ferramenta de simulação que trabalha com inteligência artificial, aprendizado de máquina e IoT para melhorar a experiência dos negócios simplificando as operações. Hoje conhecido como Digital Twin. A Juniper Research descobriu que as receitas de gêmeos Digital vai chegar a US $ 13 bilhões até 2023. Isso representa um aumento de uma estimativa de US $ 9,8 bilhões em 2019, um crescimento médio anual de 35%. O que torna um gêmeo digital único e útil é sua capacidade de fornecer insights sobre o estado atual, desempenho e integridade de ativos e processos, bem como insights sobre opções futuras para otimizar ativos e operações de forma responsiva e ágil.

Confira no quadro resultado de clientes da GE com o uso do Digital Twin:

Digital Twin

Há inúmeros outros exemplos, mas agora vamos focar no tema matriz do artigo que é o Infonomics.

A introdução acima é apenas para te conscientizar que não sabemos ao certo a nomenclatura que vai pegar, se permanecerá o Infonomics ou outras, que inclusive, caso você tenha ciência de uma delas, peço encarecidamente sua ajuda de registrar abaixo, no campo de comentários, combinado?

O termo INFONOMICS vem sendo usado pelo Gartner, nos relatórios de tendências.

Infonomics é uma nova teoria que fornece às organizações uma base e métodos para quantificar o valor dos ativos de informações e as práticas formais de gerenciamento de dados como ativos. 

A informação deve ser considerada uma nova classe de ativos, pois tem valor econômico mensurável e outras propriedades que a qualificam para ser contabilizada e administrada como qualquer outro tipo conhecido de ativo – e que existem razões estratégicas, operacionais e financeiras significativas para fazer isso.

Hoje é muito provável que você, bem como outros líderes de negócios e de TI falem regularmente sobre as informações como um dos seus ativos mais valiosos – é o novo petróleo!

Mas você valoriza ou gerencia informações como um ativo para incluir no balanço patrimonial da sua organização? Anota sua resposta no final do artigo, no campo comentário.

Não é provável que faça, mas não se preocupe, poucos o fazem.

Embora as informações respondam, de forma discutível, aos critérios de padrões contábeis para um ativo e, mais especificamente, para testes adicionais de um ativo intangível, ela (ainda) não é encontrada nos balanços das companhias abertas.

Ao considerar como colocar informações para trabalhar para sua organização, é importante ir além de pensar e falar sobre informações como um ativo, para realmente valorizá-las e tratá-las como um.

O Valor da Informação

Um levantamento do Federal Reserve, nos EUA, estima que o total de dados e outros ativos intangíveis das empresas, como patentes, marcas registradas e direitos autorais, podem valer mais de US$ 8 trilhões, que é um valor quase igual ao PIB somado de Alemanha, França e Itália.

Uma empresa que usar mais inteligentemente suas informações que outras será mais bem avaliada em termos de valor de mercado.

Independentemente do que nossos padrões contábeis de 80 anos exigem, se você não estiver quantificando o valor da informação, provavelmente não estará gerando ou demonstrando valor suficiente a partir dela. Tampouco, você está colhendo qualquer outro benefício potencial de quantificar o valor da informação.

Embora envolver o CFO na avaliação dos dados da sua empresa possa ser prematuro, isso também pode ajudá-lo a demonstrar a riqueza e a saúde geral da empresa ao conselho e aos investidores.

O valor de ações de empresas como Facebook, eBay e Google, se subtrairmos suas dívidas, vemos que elas possuem um total de US$ 125 bilhões em ativos, mas o valor combinado de suas ações é de US$ 660 bilhões.

A diferença reflete a percepção do mercado que os ativos mais valiosos dessas empresas são seus algoritmos, patentes e um enorme volume de informações sobre usuários e clientes. Esse valor não aparece nos balanços, e é um desafio valorizar dados.

Na verdade, as organizações que têm a intenção de se tornar mais centradas em informações, bem como aquelas que têm modelos de negócios baseados em informações, devem fazer uma função crítica para auditar o valor real e potencial de seus ativos de informação.

Além dos benefícios já citados, não se esqueça que agora com a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Lei nº 13.709/2018) e as leis similares em outros países para proteção e privacidade de dados, as empresas que tiverem de forma estruturada e organizada o valor da sua informação podem, em caso de aplicação de multa, usar o valor oficial do ativo da informação para argumentar.

E tem mais, é curioso observar que os dados, apesar de todos os discursos sobre seu valor competitivo, não são valorizados monetariamente.

Por exemplo, se um Data Center pegar fogo, as Seguradoras cobrem o prejuízo sofrido pelas instalações e pelo maquinário, de geradores a servidores, mas não cobrem o conteúdo dos dados que foram perdidos.
De maneira geral, uma empresa com boa governança de TI mantém uma política de backup eficiente e consegue recuperar todos ou quase todos os seus dados e informações. Mas caso não consiga, ela não obterá da seguradora a reparação pelo valor dos dados perdidos, pois estes não são valorizados monetária e contabilmente.

tendência sem volta

As empresas serão valorizadas pelo valor dos dados e informações que contém e pela sua capacidade de explorá-los adequadamente, é uma tendência sem volta.

 

 

Dados, mesmo que não sejam usados, têm seu valor. 

Assim como uma mercadoria em centro de distribuição tem seu valor (valor do estoque) antes mesmo de ser vendida, os dados têm valor, mesmo antes de ser tratados por tecnologias de análise de dados. Podemos começar a medir seu valor potencial.

Um benefício dessa valorização é que torna mais simples a proposição de projetos que envolvam os conceitos de manuseio de informação, é plataformas próprias para o tratamento dos dados como Big Data. Será possível, com Infonomics, conseguir mostrar que determinado projeto valorizará em 100% o valor de determinada informação, facilitando gerar as estimativas de ROI (Retorno sobre investimento) desses projetos.

Agora que abordamos o conceito na visão da Empresa, vamos tratar as novas nomenclaturas do valor da informação pelo usuário, consumidor e nós como PF.

Você já ouviu falar Prosumer?

Você já ouviu falar Prosumer

 

Prossumidor (em português) é um neologismo que provém da junção de produtor + consumidor, criado pelo visionário Alvin Toffler.

O consumidor atual é exigente e acaba forçando a indústria a produzir aquilo que ele quer comprar quebrando, portanto, o paradigma de que a indústria é que detém o poder da cadeia de suprimentos.

A era da informação vai chegar ao fim, e as tendências indicam e já mostra a era da customização.

Este poder conquistado pelo público consumidor advém da alta competitividade dos mercados, sejam eles globais ou locais, e que a todo instante direcionam suas estratégias a fim de satisfazer o cliente e torná-lo cada vez mais lucrativo ao longo do tempo.

Os prosumers são pessoas que consomem mídia (informação), que também produzem e que estão produzindo e consumindo ao mesmo tempo. O Movimento Maker e os Influencers (influenciadores, pessoas comuns que viram celebridades nas redes sociais) é uma grande evidência de que estamos nesse tipo de era prosumer. E o tema que será retratado em nosso próximo artigo!

Artigo escrito exclusivamente para o @tudosobreiot – Maior comunidade de Internet das Coisas do Brasil

#AI #RPA #CFO #balançopatrimonial #digitaltwin #Gartner #dados #ativo #balancopatrimonial #LGPD #GDPR #prosumer #tendencia #customização #eradainformação #transformacaodigital #iot #industria40 #IOT #internetdascoisas

 

Referências:

https://www.infoq.com/br/news/2013/05/tendencias-tecnologicas-gartner
https://www.forbes.com/sites/gartnergroup/2012/05/22/infonomics-the-practice-of-information-economics/#68c9c49e6ee4
https://imasters.com.br/tecnologia/voce-ja-parou-para-pensar-no-valor-dos-dados
https://medium.com/sciforce/top-iot-trends-to-rule-in-2019-e0b77dcef30
https://www.ge.com/digital/blog/industrial-digital-twins-real-products-driving-1b-loss-avoidance
https://pt.wikipedia.org

Se gostou, valorize o trabalho! Deixar agora mesmo o seu like e compartilhe sua opinião conosco, deixando seu comentário. É muito importante o seu feedback!

 

Compartilhe com seus amigos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Classifique:
5/5

Newsletter IOT

congresso Tudo sobre IoT

Internet das Coisas

O IoT tem como objetivo permitir uma melhor relação entre o mundo físico (as coisas), o mundo biológico (nós) e o mundo digital (a computação).

Eventos

Últimos Videos do Canal

Congresso Online

Industria

Cases IOT

Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo

Webinários

Inscreva-se em nossa newsletter