ANALISANDO O COVID19 A LUZ DA CIÊNCIA DOS DADOS

Analise pelo Mestre em Ciências de Dados Marcelo Rovai

Sem querer ser alarmista realmente acredito ser a informação a arma mais importante para combater o vírus. E o que me chama a atenção no dias de hoje são pessoas insistindo que a Pandemia do Covid-19 não existe e suas teses se baseiam em argumentos como “morreram mais pessoas no ano passado do que neste”.

Bem, vamos começar vendo se a posição acima é verdadeira. O melhor lugar para isto é o site do IBGE.

Lá poderemos ver que os dados (Preliminares) de óbitos para 2019 de janeiro a abril totalizaram 418.000 casos.

E para 2020?

Bem o site do IBGE não possue ainda estes dados, mas recorrendo ao site do Registro Civil, pude encontrar que de jan-Abril de 2019 houveram no país um total de mortes de 349.156 (um pouco inferior aos dados preliminares do IBGE).

Mas imaginando que a base é a mesma, o site registra um total de óbitos para 2020 de 335.700, o que realmente mostra uma redução de quase 4% em relação a 2019.

Opa! Então é verdade! Em 2020 até agora morreram menos pessoas que no ano passado!!!

Sim! Mas vamos mergulhar um pouco mais nestes dados.

Observando o site, percebemos que “Demais óbitos” caíram ao redor de 11. 400 casos (aprox. 6%).

Em conclusão, os ÓBITOS TOTAIS de 2020 em relação a 2019 cairam em 4%, mas fortemente puxados por outras causas que não doenças respiratórias (aonde se encaixa o Covid-19).

O Covid-19 está dentro de doenças respiratórias, cujas mortes historicamente estão na faixa de 2.000/mês e neste ano óbitos totais dentro desta categoria já passaram em muito estas médias anuais (mas é claro que esperemos que estes óbitos não influenciam as medias mensais de óbitos totais do país que giram na casa dos 110.000/mês).

Vale também lembrar que em 2019, o Brasil reduziu o número de assassinatos em mais de 40.000 casos, quando comparado a 2018 e tudo indica que isso deve estar também acontecendo em 2020 (não encontrei dados fechados e oficiais sobre este item).

Outro ponto é que seguramente o número de mortes por acidentes de trânsito, devem reduzir este ano devido as quarentenas.

O gráfico a seguir dá uma idéia das dimensões do que estamos falando.

Bem, mas um dado importante é que se observarmos DOENÇAS RESPIRATÓRIAS, aí sim a coisa fica muito preocupante. Com respeito a este tema, fui pesquisar no site da FIOCRUZ (orgão do governo Federal) a diferença de óbitos entre 2019 e 2020 e pude observar que o número de falecidos por estas semanas em decorrência de SRAG (grupo de doenças respiratórias que inclui o Covid-19) é ao redor de 10 vezes maior que os registrados no ano passado nesta mesma época, como se podem ver pelas series temporais disponíveis no site da Fiocruz.

Podemos comprovar isto, observando os gráficos abaixo.

O primeiro gráfico mostra a distribuição dos obitos em 2019 e o segundo em 2020, com destaque para a curva quando superamos os casos 2019/2020 comparando o mesmo período. 

Outro dado importante é que já faleceram, até Abril/2020, mais que o dobro das pessoas maiores de 60 anos do que faleceram em todo o ano de 2019 (Para se saber exatamente os números totais de um ano versus o outro, tem-se que somar os totais por faixa etária).

Veja:

Concluindo, a coisa é séria e o distanciamento social é o melhor remédio por enquanto

Comparando outra Perspectiva: A proliferação em 70 dias

Acompanhe no mapa como está evoluindo a Pandemia no Brasil.

O período é de 25 de Fevereiro a 04 de Maio de 2020.

Comparando com outras Guerras e Países

No dia 20 de Abril, a apenas duas semanas, os EUA atingiram 59.000 falecidos pelo Covid-19,  ultrapassando o total de americanos mortos durante todo o período da guerra do Vietnam (total de falecidos: 58.209).

O Vietnam foi o conflito onde mais americanos faleceram no século XX depois da WWII(¹) (405.000).

Nota: a guerra do Vietnam foi de 1955 a 1975 (20 anos) enquanto os mortos pela pandemia devido ao Covid-16 ocorreu em 2 meses!

E o pior é que até o  final desta semana provavelmente os EUA estarão passando de 100.000 falecidos, que foi o número total de mortos americanos durante WWI(²).

Acredito que estes números explicam o porque Trump já entendeu que o Covid-19 não é nem brincadeira nem uma “gripezinha” .

Mesmo sem contar que quase não fazemos testes por aqui o Brasil, já é o número 2 depois dos EUA em casos críticos, segundo os dados do site Wordometer. Veja a tabela a seguir.

 

Este dado é alarmante, pois casos críticos significam que vamos necessitar de mais leitos de UTI e respiradores.  

Ademais, os números brasileiros vem chamando muito a atenção do mundo, pois alem de serem altos muito provavelmente são subdimensionados, pois praticamente não estamos testando a população (novamente observe a ultima coluna da tabela anterior).

O Brasil só perde para o Mexico em número de testes por milhão de habitantes. Isto também explica por que o governador da Florida, EUA falou em fechar suas fronteiras ao Brasil.

Somos a bola da vez no foco de contaminação do Corona Vírus, e nosso governo central continua passando mensagens desencontradas as adotadas pela OMS(³) .

Mesmo sem “Lock-Down” (fechamento completo como o que se viu em cidades européias), os estados forçaram algo de quarentena que sem dúvida ajudou bastante a aplanar a curva.

problema são as informações desencontradas do governo federal, as quais tem ajudado na pressão a que os governadores parem a quarentena (e a população fique confusa).

Por isso vemos que a paralizacão que já foi maior que 60% em varias grandes cidades hoje está abaixo de 40%.

Hoje passamos dos 7.000 falecidos, sendo mais ou menos a metade de SP. E os números continuam a crescer. E nem se sabe se são corretos porque como comentado anteriormente, quase não se fazem testes no Brasil.

Mapa Covid-19 – em São Paulo, até 04 de Maio.

A situação é difícil! Por isso FIQUE EM CASA se você pode! Se não, use máscaras e siga as indicações das autoridades.

Não se deixem levar por fake-news

Como informação adicional. Aqui no Chile, onde moro, a situação parece mais controlada. Preocupante, mas infinitamente melhor que o Brasil, por exemplo.

As mortes por 1 Milhão de habitantes aqui em Santiago é de 14/Milhão. Já nas grandes cidades brasileiras este índice passa de 100 em alguns casos.

As vezes quando fala de Chile, alguns pensam “que não se pode comparar”, mas a análise tem que ser feita a nível de cidades e não de país. Santiago é uma das maiores cidades da America Latina (AL). No Brasil, Santiago só perde em tamanho para Sampa, que é a maior da AL.

Aqui no Chile se aplica Lock-Down seletivamente a comunas(⁴) dependendo do numero de casos.

Na Região Metropolitana de Santiago vivem 7 Milhões de habitantes, onde estão mais da metade dos casos (8.300) e 100 falecidos.

A RM(5) do Rio de Janeiro por exemplo é mais ou menos do mesmo tamanho da RM Santiago, mas tem menos casos registrados e 4 vezes o número de falecidos. E aqui se testa mais. Quanto ao Rio…..

O desafio da visualização matemática é desenvolver um ambiente computacional interativo e integrado para prototipar rapidamente, simular e experimentar os conceitos matemáticos abstratos. 

As visualizações apresentadas  aquí (mapas e vídeos) são baseados em Python e pacotes como GeoPandas. Você pode acompanhar as atualizações e ter acesso aos dados e códigos utilizados em meu GitHub:

A proliferação em 70 dias em mapa. Como evolui a Pandemia em SP, RG, MG e CE. O período é de 25 de Fevereiro a 04 de Maio de 2020.

Referências:

¹ WWII – World War II – Segunda Guerra Mundial

² WWI – World War I – Primeira Guerra Mundial

³ OMS – Organização Mundial da Saúde – World Health Organization

⁴ Comunas – Equivalente a municípios brasileiros

Compartilhe com seus amigos

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Classifique:
5/5

Newsletter IOT

congresso Tudo sobre IoT

Internet das Coisas

O IoT tem como objetivo permitir uma melhor relação entre o mundo físico (as coisas), o mundo biológico (nós) e o mundo digital (a computação).

Eventos

Últimos Videos do Canal

Congresso Online

Industria

Cases IOT

Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo

Webinários

Inscreva-se em nossa newsletter