Como construir solução baseada em Web 3.0 IoT

Novo Jogo, Novas Regras

Os Metaversos estão aí, você queira enxergar ou não. 

Em apenas 40 dias da formação Metaverse Expert certificada já sinto a diferença do acesso ao conhecimento abrir portas para meus negócios.  

Não sei qual é o seu nível de conexão com o tema, então esclareço que as bases para construção dos Metaversos tem um ecossistema vasto de tecnologias em evolução, como a da Internet com a:

  • Web 3.0,
  • Blockchain,
  • Internet das Coisas,
  • Edge Computing,
  • Defi (Finanças Descentralizadas) etc. 

 

O objetivo é resolver um problema técnico e de negócios com uma base na web para que esta se torne mais apropriada e capacitada a permitir possibilidades de criação de novos serviços, hábitos, modelos de negócios e relações.  

 

Estou me referindo a hiperconectividade que integra o virtual ao físico e vice-versa. 

 

Entenda a mudança que está acontecendo agora. 

Hoje funciona, como ilustrado na imagem abaixo:

Você concorda que o principal objetivo de uma empresa que presta o serviço e armazena os dados é rentabilizar e controlar, você pode pensar nisso como “minha Infraestrutura, minhas regras”.

Pensa nas operadoras que você contrata para te fornecer internet ou nas aplicações web que você acessa e até nas transações financeiras – como elas ocorrem? No formato “minha infraestrutura, minhas regras

Mas isso está mudando. 

A palavra-chave por trás da web 3.0 é descentralização

A Web 3.0 quebra a regra “minha infra-estrutura, minhas regras” presente na Web 2.0 (atual) e dá espaço a cada usuário acesso e download de uma cópia local dos dados (ledger) e participa passivamente (node ​​owner) ou ativamente (consenso, validador) da construção da rede, tanto em infraestrutura como na governança.

No novo cenário: “Ninguém é dono da rede”.

E isso vale para as transações de IoT ou de aplicações, como as financeiras. 

Como funciona: 

Um contrato inteligente (DLT) e um protocolo codificado definem as regras e executam o que o participante concordou. Cada transação passa por um processo de votação programática totalmente automatizado.

A descentralização dá ao usuário a capacidade de executar e operar sua infraestrutura. O protocolo incentiva o participante com Cripto Moeda Digital ou Token Digital, que ele pode usar para consumir outros serviços.

E agora você pode estar pensando… “ok Thelma, mas como e por que a Web3 está atrelada à Internet das Coisas?”

Você concorda que para os dispositivos IoT funcionar é preciso de conectividade? 

E a Rede de Conectividade Sem Fio é um investimento enorme e se espera que o dispositivo esteja funcionando para justificar o investimento da rede, caso contrário fica mais difícil iniciar (aprovar) os projetos de IoT sem cobertura e não podemos construir uma rede sem dispositivos. Fica aquela história do ovo e da galinha… 

 

Construindo uma solução baseada em Web 3.0 IoT

 

Criar solução IoT de ponta a ponta baseada apenas em serviços Web 3.0 descentralizados, como mostra o design abaixo, desde a aparência inicial, parece uma solução convencional de IoT. 

 

Ainda assim, todos esses componentes são descentralizados e fornecidos por nós, pessoas e empresas privadas – e não mais “donos de infraestrutura” e que num formato colaborativo de expandir redes IoT para que esteja disponível e em execução em todo o mundo, por pessoas e quaisquer tipos de empresas como seus servidores domésticos ou até mesmo pela nuvem pública.

No Brasil, trabalhar e participar disso é possível desde que os Empresários Rodrigo Junco e Gabriel Marques fundaram a BrDot, juntamente com a Nova Labs (empresa dos fundadores da Helium), trazendo à América Latina, a maior rede descentralizada do mundo com mais de 850 mil pontos de acesso LoRaWan.

Ganhos divididos em três categorias principais

 

  • Prova de Cobertura: faça parte da rede e prove que sua localização é legítima e testemunhe pontos de acesso ao seu redor.
  • Consenso: fazendo parte de um grupo de consenso de blockchain e participando de validações de blocos, mesmo essa função está passando para validadores por meio de prova de participação. Os validadores são servidores relativamente poderosos, e não o edge gateway.
  • Encaminhamento de dados : Receber um pacote do Dispositivo/Sensor e encaminhá-lo para o servidor Backend LORAWAN.

 

A rede LoRaWan – Long Range Wide Area Network – é um protocolo de “alto nível” longo alcance e de baixa potência que proporciona detecção de sinal sob o nível de ruído – ideal para o uso do IoT. 

A rede LoRaWan conecta dispositivos alimentados por baterias, sem fio na internet, tanto na rede global como nas redes privadas.

Ampliando também, com base nesse modelo demonstrado, onde possuir um gateway LORA em casa se torna uma maneira de minerar tokens e obter renda passiva.

O dispositivo/sensor paga pelo uso de dados usando Crédito de Dados. O crédito de dados é diferente do HNT e é um saldo de crédito semelhante ao saldo do provedor convencional.

 

Se eu não tivesse a base de conhecimento obtida no Curso Metaverse Expert, ficaria muito distante o real entendimento dos benefícios deste projeto para trazer estes empresários ao programa Masterthings e abrir portas de novos negócios. 

Mesmo como especialista IoT, cair na realidade que tudo e junto é misturado e está acontecendo agora, tem sido impressionante. 

 

Quer saber mais sobre? 

Se cadastre AQUI em e seja convidado para nossos webinar. 

Sobre:

Sobre a BrDot

Representante no Brasil provendo acesso a rede Helium, maior rede IoT descentralizada LoRaWAN. A missão do BrDot é garantir que a última milha aconteça para para o IoT, no campo e nas cidades, com soluções embarcadas na rede “The People’s Network”, que atendam demandas de todos os tamanhos, a partir de um ecossistema virtuoso onde a inovação possa realmente ter espaço e o ecossistema se desenvolva Estão.trazendo um inovador modelo de negócios que em breve a ser apresentado aqui no nosso Grupo do Masterthings.

Rodrigo Junco
Co-Founder BrDot, formado em Publicidade pelo Mackenzie-SP e especialização executiva pela Harward Bussiness School. Tem vasta experiência atuando em empresas no mercado Digital e E-Commerce, e entusiasta das possibilidades que a Web3 trará aos mundos de negócio e IoT em particular.

Gabriel Marques

Co-Founder BrDot, egresso do curso de Engenharia Computação pelo IESB-DF e especialização em Estratégias de MKT Digital pelo Griffith College Dublin. Grande experiência em gestão de redes e focado nas oportunidades que estão surgindo unindo Web3, Blockchain, Criptomoedas e Internet das Coisas.

Referências deste artigo: 

https://tudosobreiot.com.br/metaverseexpert/ 

https://www.brdot.com.br/ 

https://blog.cryptostars.is/web-3-0-something-is-in-the-air-decentralized-network-part-2-5dea8a019574

Compartilhe com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Classifique:
5/5

Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo

congresso Tudo sobre IoT

Internet das Coisas

O IoT tem como objetivo permitir uma melhor relação entre o mundo físico (as coisas), o mundo biológico (nós) e o mundo digital (a computação).

Inscreva-se em nossa newsletter