Brasil ultrapassa 100 MVNO

Brasil ultrapassa 100 MVNO

Brasil ultrapassa 100 MVNO – entenda o que significa e como estes provedores colaboram com a Internet das Coisas

Operadores de rede virtual móvel conhecidos como MVNO, da origem em língua inglesa Mobile Virtual Network Operators, são provedores de serviços sem fio que prestam serviços sem possuir a infraestrutura de rede sem fio, mas em vez disso, compram capacidade de rede das MNOs (Mobile Network Operators) existentes para fornecer serviços customizados aos seus usuários.

No Brasil, as MNOs são Claro, Vivo, TIM e Algar.

As MVNO compram capacidade de rede, numa linguagem popular podemos dizer que “alugam” as antenas, toda infraestrutura por trás de uma operação, o que chamamos de backend que inclui plataformas de serviços tais como:

  • GGSN que significa Gateway GPRS Support Node e é um componente de rede que conecta as redes móveis GSM e UMTS às redes de pacotes externos, como a Internet. A palavra ‘pacote’ é muito importante neste contexto porque GGSN trata de redes comutadas por pacotes que permitem dados móveis.
  • SGSN significa Serving GPRS Support Node, fornece a capacidade de comutação de pacotes para redes móveis para habilitar serviços de dados móveis, ou seja, internet móvel. Os pacotes de dados com conteúdo informativo (por exemplo, resultados da pesquisa do Google) podem ser enviados e recebidos pelos telefones móveis que operam em uma determinada área geográfica coberta por um SGSN servidora. O SGSN é responsável pela gestão da mobilidade, faturação e gestão das sessões de dados.
  • SMSC é um elemento de rede na rede de telefonia móvel e seu objetivo é armazenar, encaminhar, converter e entregar mensagens do Short Message Service, o famoso SMS. A designação completa de um SMSC de acordo com 3GPP é Short Message Service – Service Center.
  • HLR (Home Location Register) é um banco de dados que contém várias informações sobre todos os assinantes móveis de uma rede móvel, como números de celular, serviços, se os números foram transferidos para outra rede e informações semelhantes. É a plataforma que faz a autenticação do usuário/linha na rede e libera ou não os serviços que podem ser acessados pelos assinantes.

Há outras plataformas ou nó de rede que podem ser integrados para atender serviços em uma rede celular sem fio, o importante é você compreender que a MVNO, pode ser responsável e propriedade dessas plataformas permitindo a elas se diferenciar na oferta de serviços e na qualidade da operação quando comparada a uma MNO, mesmo que essas utilizem a mesma rede de cobertura.

Os proprietários desta infraestrutura são chamados de MVNE (Mobile virtual network enabler), em resumo é facilitador de rede virtual móvel é uma empresa que fornece infraestrutura de rede e serviços relacionados, como sistemas de suporte a negócios, administração e sistemas de suporte a operações a um operador de rede virtual móvel (MVNO).

MVNO Visão Macro

A exploração de Serviço Móvel Pessoal – SMP é um serviço regulado pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) é a licença que toda MNO e a operação deste serviço por meio de Rede Virtual (MVNO) foi regulamentada no Brasil por meio da Resolução nº 550, de 22 de Novembro de 2010. Essa Resolução trouxe duas formas distintas de exploração do serviço: Autorização e Credenciamento.

  • Autorizada de Rede Virtual (Autorizada de SMP por meio de Rede Virtual): é a pessoa jurídica, autorizada junto à Anatel para prestação do Serviço Móvel Pessoal que se utiliza de compartilhamento de rede com a Prestadora Origem.
  • Credenciado (Credenciado de Rede Virtual): é a pessoa jurídica, credenciada junto à Prestadora Origem, apta a representá-la na Prestação do Serviço Móvel Pessoal, devendo ser empresa constituída segundo as leis brasileiras, com sede e administração no País. Credenciamento é o contrato de representação, objeto de livre negociação, entre o Credenciado e a Prestadora de Origem.

A empresa interessada em explorar o SMP por meio de rede virtual, em uma das modalidades descritas, deve enviar carta à Anatel informando a modalidade, o contrato com a operadora e a área de prestação. Caso escolha a modalidade autorização, deverão ser encaminhadas as demais documentações necessárias.

Entre as principais diferenças entre as modalidades Credenciada e Autorizada é que uma MVNO Autorizada tem uma relação direta com a Anatel, os tributos, as medições de qualidade de serviços etc são medidos, controlados direto pela Anatel e a MVNO Credenciada tem regras mais flexíveis por que quem faz o report oficial exigido pela Anatel é a MNO ou a MVNO Autorizada que atua como uma MVNE. Parece completo mais não é.

Vamos seguir para entender os benefícios, por que vale contratar uma MVNO?

As MVNO existem para:

Atender nicho de mercado:

  • Público
  • Região
  • Agregar Valor à Oferta

As oportunidades exploradas por uma MVNO: é a possibilidades de lançar e atuar com novas:

  • Soluções
  • Ofertas
  • Negócios

Refletindo especificamente sobre a Internet das Coisas, uma empresa com mais de 70 milhões de clientes que é o caso das MNOs compete seu budget, infraestrutura de vendas, atendimento e serviços com um público que vasto e demandas diversificadas de usuários varejo a clientes corporativos e dentro de clientes B2B tem as demandas de IoT.

Há MVNO que já nascem com foco específico em explorar o máximo possível de oportunidades que atendem as demandas e particularidades da Internet das Coisas e tem mais vantagens e serviços que ultrapassam o tradicional das MNOs, vou citar alguns:

A MVNO pode usar mais de uma rede – já dá pra imaginar como seria uma linha que pudesse conectar na melhor rede / cobertura?

Recentemente a Anatel abriu a oportunidades para uma MVNO poder deter Contrato para Representação com mais de uma Prestadora Origem em uma determinada Área de Registro, ou seja, uma MVNO Credenciada pode operar usando mais de uma rede simultaneamente. Foi oficializado na Resolução nº 735, de 03 de novembro de 2020.

Até o momento desconheço uma empresa brasileira que possui este contrato duplo mas é uma questão de tempo, as negociações e os processos estão em andamento.

De qualquer forma, a funcionalidade já é oferecida por muitos players usando a tecnologia de multi IMSI, você pode saber mais clicando aqui.

O que temos de mais avançado no mercado é o Softsim ou simcard zero milímetro, oferecido no Brasil pela LinksField, uma multinacional Chinesa.

Veja no quadro a evolução do SIM:

Veja no quadro a evolução do SIM

Você sabe o que é SoftSIM?

Nesta nova forma chamada de SoftSIM, também conhecida como iSim, as funções do SIM são integradas como Software dentro do módulo GSM, diretamente na fase de produção do equipamento, contando com todas as funcionalidades do tradicional SIM Card plástico incluindo uma das característica de maior apelo dos SIM CARDs: a segurança.

O Softsim, tem formato com 0 milímetros quadrados, ele é um Software – a funcionalidade do SIM é entregue ao dispositivo remotamente “Pelo Ar” (através do OTA – Over the Air), assim que o usuário liga o equipamento.

Temos um webinário onde detalhamos mais sobre o assunto e você ainda obtem um overview completo de ofertas personalizadas oferecidas pela MVNO Linksfield:N

Sobre o Mercado

O mercado de MVNO foi avaliado em USD 61,9 bilhões em 2020, e espera-se atingir um valor de USD 91,63 bilhões em 2026, registrando um CAGR de 6,75% no período de previsão 2021-2026.

Ativadores de novas tecnologias, como e-Sim, AI, ML e computação de ponta estão criando novas oportunidades para MVNO.

Os MVNOs estão bem estabelecidos nos mercados desenvolvidos e se tornarão cada vez mais importantes nos mercados em desenvolvimento à medida que amadurecem.

Nos últimos anos, a concorrência no mercado de MVNO mudou de preços para serviços de valor agregado e diferenciação de produtos, devido à proeminência de MNOs no mercado de serviços celulares de baixo custo em países desenvolvidos e em desenvolvimento.

A crescente penetração de dispositivos móveis está impulsionando o crescimento do mercado. A GSMA previu que o número de assinantes móveis únicos aumentou de 4,66 bilhões em 2015 para 5,59 bilhões em 2019. Além disso, previu que 72% da população global assinaria um serviço móvel até 2020.

O número crescente de serviços, como nuvem, transações Machine to Machine (M2M) e dinheiro móvel devem aumentar ainda mais a demanda por operadoras de rede virtual móvel durante o período de previsão.

Além disso, o aumento das iniciativas governamentais, como a estratégia do Mercado Único Digital (DSM), para eliminar questões de direitos autorais e problemas de bloqueio geográfico e para fornecer melhor acesso ao serviço de rede para os consumidores na Europa, deve impulsionar o crescimento do mercado durante o período de previsão. Aqui no Brasil ainda temos restrições para o roaming permanente que seria operar com numeração de linha celular de outros países, com a vantagem de não ficarmos reféns dos altos tributos.

Hoje já temos impostos reduzidos para acesso M2M mas ainda não é suficiente para competir com a agressividade de tarifas de rede LoRa e SigFox que por não usarem frequência licenciada, não há taxas como as exigidas para linhas GSM.

Algumas operadoras de fora se deram muito mal e prejudicaram muitas empresas que caíram na lábia do preço baixo e depois tiveram seus acessos bloqueados, uma cascata de prejuízos. Ainda há players que se arriscam.

Como a Anatel não proíbe o roaming internacional, apenas o roaming internacional permanente, linhas internacionais estão sendo usadas para projetos de “iscas”, são rastreadores portáteis com vida útil de bateria limitada, portanto vale o risco já que é temporário o uso e dá viabilidade para o projeto.

Se este tipo de projeto usasse uma linha tradicional, tem as desvantagens de tempo de permanência mínima de linha ativa que é a carência utilizada pelas operadoras (MNO ou MVNO) para entregar tarifas mais agressivas e a reutilização destas é mais complicado já que a maioria das iscas não são retornáveis e, quando são, para reutilizar o contratante pagaria a mensalidade mesmo sem usar ou teria um gasto adicional na compra do plástico, simcard virgem, para habilitar a linha em outro chip sem ter que pagar a carência.

Você já pode até ter encontrado alguma isca em embalagens de eletrônicos, cargas comumente rastreadas. Os dispositivos podem também ser aperfeiçoados com aplicações Cold Chain, ou seja, incluindo sensores de temperatura, umidade e outros recursos para validar a ambientação de cargas perecíveis ou que exige controle especial tais como carga de remédio, vacinas, alimentos, etc.

Para garantir a continuidade dos negócios devido ao surto do COVID-19, as organizações estão apostando no IoT para acompanhamento remoto, com o aumento da demanda, cresce as oportunidades das MVNOs focados para o segmento e dá mais segurança aos projetos corporativos que contratam operadoras especialistas.

Principais Tendências de Mercado

A crescente adoção do e-SIM também deve ampliar a abrangência do segmento. O e-SIM, com os padrões de provisionamento remoto criados pela GSMA, oferece simplicidade e flexibilidade aos fornecedores de MVNOs.

De acordo com a G+D Mobile Security, estima-se que haja cerca de 1 bilhão de dispositivos conectados por e-SIM até o final de 2020.

No entanto, espera-se que isso cresça a uma taxa exponencial, chegando a quase 2 bilhões de remessas até 2025. Espera-se ainda que o segmento estudado seja impulsionado, tanto pelo aumento da adoção da tecnologia M2M/IoT, mas também pelo e-SIM no mercado consumidor, à medida que a IoT cria mais e mais crossover nos mercados B2C.

Panorama Brasil

A Tabela mostra o quantitativo de prestadores MVNO

Acessos dos Tipos de Produto “Ponto de Serviço” e “M2M” são o carro chefe dos acessos das prestadoras Autorizadas de Rede Virtual: esses acessos perfazem 69,7% dos acessos das prestadoras do referido grupo, contra 11,7% dos acessos das prestadoras tradicionais.

A sua organização ainda não aposta em MVNO? Tá esperando o quê?!

Agora que você já conhece as vantagens de contratar uma MVNO, que tal degustar os serviços de uma MVNO especializada em projetos IOT?

A Linksfield colabora com o Tudo Sobre IoT e está oferecendo esta oportunidade para sua Empresa, são 12 meses de gratuidade.

Peça agora o seu:

*A oferta é válida por tempo limitado. De acordo com a data que você está lendo este artigo, não podemos garantir que ainda esteja valendo o benefício.

Bons negócios e sucesso em seus projetos!

Quais outros assuntos você gostaria de ler em nosso blog? Você pode me enviar uma mensagem para [email protected]

Referências:

  • https://www.gov.br/anatel/pt-br/regulado/outorga/telefonia-movel/mvno
  • https://www.anatel.gov.br/legislacao/resolucoes/2020/1483-resolucao-735#art1
  • https://mordorintelligence.com/
  • Relatório Anatel de acompanhamento do setor de telecomunicações Telefonia Móvel – 2º semestre de 2020
  • Palestra Marcelo Amante: Vale a pena se tornar uma MVNO? executada no 2º Congresso do Tudo Sobre IoT, acesse em: https://youtu.be/BBXCZpkLP8k2

Compartilhe com seus amigos

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Classifique:
5/5

Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo

congresso Tudo sobre IoT

Internet das Coisas

O IoT tem como objetivo permitir uma melhor relação entre o mundo físico (as coisas), o mundo biológico (nós) e o mundo digital (a computação).

Inscreva-se em nossa newsletter